Topas

 

 

ANOREXIA NERVOSA

anorexia2.jpg

Geralmente a Anorexia Nervosa surge entre os 14 e os 19 anos e muitas vezes está associada à prática de dietas.

Uma pessoa com anorexia pode começar a achar que está com excesso de peso, e quer ficar parecida com uma supermodelo. Começa por tentar controlar a comida que ingere, deixa de comer determinadas coisas, mas acaba por ser a dieta que lhe controla a vida e já não consegue parar. Pensa que estás gorda, mesmo quando está muito, mesmo muito magra e parece que está a passar fome. Por vezes para ajudar ainda mais a perder peso para além de não comer tomam medicamentos que levam a diarreia e provocam o vómito.

A obcessão é tal em perder peso que é negada a fome, o cansaço e a perda de energia. Como consequência há uma perda progressiva de peso e deixa de haver menstruação ou é atrasada a primeira menstruação nas raparigas.

A Anorexia Nervosa é uma Doença do Comportamento Alimentar que afecta 1 em cada 100 raparigas adolescentes, mas apenas 1 em cada 2000 rapazes.

Há várias (ver a lista abaixo) e todas elas têm em comum uma atitude face à comida que se inicia com uma dieta, com o objectivo de perder algum peso, e que depois se vai descontrolando, prolonga-se no tempo, mesmo depois de atingidos os objectivos iniciais. Têm uma preocupação obsessiva com o controlo do corpo e do que se come, levando a manifestações de carência ou excesso alimentar com repercussões na saúde física e emocional.

Outras PERTURBAÇÕES DO COMPORTAMENTO ALIMENTAR SÃO:

Bulimia Nervosa - caracterizada por episódios de ingestão alimentar compulsiva seguida de vómito provocado ou de longos períodos de jejum. Neste caso não se verifica perda de peso significativo, nem aumento, os comportamentos são ocultados da família e o que se manifesta é uma irritabilidade e instabilidade emocional, por vezes com isolamento.

Alimentação Selectiva - caracterizada por uma atitude inflexível sobre alimentação em que são aceites apenas uma pequena variedade de alimentos , sempre os mesmos, com recusa em experimentar outros.

Fobia Alimentar - caracterizada por evitamento das refeições por medo de possíveis sensações de mal estar provocados pelos alimentos, particularmente alimentos sólidos ou de determinada consistência com receio de se engasgarem ou de vomitar.

Alimentação excessiva / Compulsiva - caracterizada por episódios diários de ingestão compulsiva de alimentos de valor calórico elevado, por exemplo doces, bolachas ou fritos, sempre que estão cansados, ansiosos ou deprimidos, acabando por se tornar um habito ,” comer por comer” sem critério nem controlo. Nesta situação há geralmente aumento de peso.

FACTORES DE RISCO PARA SE SOFRER DE UMA PERTURBAÇÃO ALIMENTAR:

  • Alguém que não tem hábitos alimentares partilhados em família
  • Alguém com uma alimentação sem horários e isolada da família
  • Alguém que tem algum elemento significativo da família em dietas drásticas para perder peso, ou com obesidade
  • Alguém que tem o hábito instalado desde a infância de comer para se acalmar, ou quando não tem o que fazer
  • Alguém que é persistentemente criticado por “ser gordo”

Há pessoas que te dizem que acham que sofres de anorexia ou tens dúvidas?

Se existem pessoas que te estão a dizer que sofres de anorexia, então:

- Ouve o que as pessoas te têm para dizer antes de responderes “Não, não é verdade!”

- Se for verdade, tenta admitir para ti própria o que está a acontecer

- Não te culpabilizes, a anorexia é uma doença e pode ser tratada

- Vai a um médico o mais cedo possível. Quanto mais cedo admitires que existe um problema, mais cedo vais melhorar e mais facilmente se pode tratar o problema.

- Enquanto estiveres a recuperar as pessoas vão-te dizer que estás com melhor aspecto: acredita nelas.

- Se fizeres tratamento para a anorexia, vais sentir-te menos cansada e o teu corpo vai ficar mais saudável. Vais conseguir voltar a ter capacidade de concentração e acompanhar as aulas e os estudos escolares. E o melhor é que vais deixar de te preocupar constantemente com o teu peso.

Sinais e sintomas de anorexia

  • Primeiro normalmente acontece o seguinte:
  • Perdes muito peso por te recusares a comer
  • Provocas o vómito quando não resistes à tentação e comes muito
  • Fazes exercício físico intenso e excessivo para tentar perder peso
  • Ficas obcecada com a ideia de que estás gorda e pensas que é horrível ser gordo
  • As raparigas podem mesmo deixar de ter menstruação

 E depois:

  • As tuas pernas e braços ficam tão magros que quase se conseguem ver os ossos
  • Tens dificuldade em adormecer
  • Tens dificuldades de concentração
  • Sentes mais o frio
  • A tua pele fica seca e com pêlos finos nas zonas do pescoço, braços e pernas
  • As tuas mãos e pés ficam azuladas e fazem frieiras facilmente
  • A tua frequência cardíaca fica cada vez mais baixa, podem existir arritmisas porque o coração está muito magro e não consegue fazer bem a função dele
  • Cada vez te sentes mais triste e deprimida
  • Tomas muitos laxantes (medicamentos que te fazem ir à casa de banho e que impedem que a comida que ingeres seja absorvida) o que te pode fazer ficar muito doente.
  • O teu corpo começa a deteriorar-se e a morrer gradualmente devido à inanição.

A PARTE BOA DESTA DOENÇA É QUE COM TRATAMENTO ADEQUADO TUDO VOLTA AO NORMAL!! O IMPORTANTE É PEDIRES AJUDA! TENS O DIREITO DE SER MAGRA.. NINGUÉM TE VAI ENGORDAR SÓ POR ENGORDAR... MAS TENS QUE O SER DE UMA FORMA SAUDÁVEL!! 

“Estou preocupada com uma amiga porque acho que sofre de anorexia.”

  • Deves desconfiar que alguém possa sofrer de anorexia e ficar preocupado, se essa pessoa:
  • Começa a ficar obcecada com a comida e cozinha para os outros, mas não come
  • Tenta arranjar sempre maneira de comer sozinho
  • Começa a emagrecer muito
  • Faz comentários que está gorda ou que não gosta de determinada parte do corpo (pernas, rabo, ancas... começa a ficar obcecada com isso)
  • Fica inquieta na altura das refeições e não se senta para comer, arranjando desculpas para abandonar o momento da refeição
  • Brinca com a comida que está no prato, espalhando-a no prato em vez de comer
  • Levanta-se da mesa antes de a refeição ter terminado
  • Esconde a comida em algum lado e refugia-se na casa de banho depois das refeições, provavelmente para induzir o vómito
  • Pesa-se constantemente, principalmente depois das refeições
  • tem um comportamento evasivo, distanciando-se emocionalmente e parecendo que está a esconder alguma coisa
  • Preocupa-se imenso com o conteúdo calórico dos alimentos, para ter uma dieta de baixas calorias (sabe de cor as calorias que cada alimento tem ...)
  • Começa a ficar irritada, triste e refilona sobre tudo o que diga respeito a comida.
  • Beber imensa água antes das refeições, para iludir a fome
  • Aumenta a actividade física, que se torna excessiva
  • Dificuldades em adormecer, dormir muito menos horas

 Se pensas que um amigo ou familiar sofre de anorexia tenta falar com ele sobre o assunto. Partilha as tuas preocupações com mais alguém, como os teus pais ou um professor. E tu, continua a comer normalmente, a culpa não é tua e não te deves culpabilizar; tens que continuar a ser a pessoa normal na qual ele ou ela podem confiar. Não vais ajudar a pessoa que sofre de anorexia ao acusá-la ou fazê-la sentir-se culpada, os anorécticos já se sentem infelizes e assustados o suficiente. Continua a demonstrar-lhe o mesmo afecto de sempre.

 Como lidar com alguém que tem a Anorexia Nervosa?

  • Ninguém escolhe ter uma Doença do Comportamento Alimentar ou ter excesso de peso!!
  • A resistência em admitir que se tem um problema e procurar tratamento faz parte da própria doença... é como se a doença tomasse conta da pessoa.. no fundo até pode saber que precisa de ajuda e que se sente infeliz mas não consegue reagir com medo que o obriguem a comer... ou simplesmente não quer perder o controlo sobre o seu corpo, o seu peso e o que come.
  • Não criticar, não pressionar, …  não se está doente porque quer
  • Tentar compreender e aceitar que se trata de uma manifestação de sofrimento pessoal
  • Tentar uma maior união e articulação entre os pais ,para que as atitudes de ambos sejam consistentes e firmes, com afecto.
  • Não ignorar e esperar que passe… Procurar orientação e ajuda médica.
  • Disponibilizares-te para ajudar, para ouvir... e perceber que o problema vai mais fundo do que simplesmente não querer comer.