Topas

 

Fumar faz mesmo mal?

no_fumar.jpg

 Sabias que um cigarro tem cerca de 4000 substâncias químicas na sua composição? - acetona, ácido acético, amónia, arsénico (também usado como veneno para ratos!), benzeno, cádmio, monóxido de carbono, DDT (inseticida!), formaldaído, chumbo, ácido nítrico, ácido sulfúrico, tolueno, etc..

 Parecem-te nomes saudáveis?!

 Ao longo dos anos tem-se vindo a descobrir um número crescente de malefícios consequentes do tabagismo:

 - Cancros: Sabe-se hoje que o tabaco aumenta imenso o risco de cancro de pulmão, mas não é o único. Cancro da bexiga, esófago, laringe, estômago, colón e um número crescente de cancros para os quais se sabe que o tabaco é um factor de risco importante.

 - Doenças cardiovasculares como enfarte miocárdio (ataque cardíaco) ou acidentes vasculares cerebrais (AVC´s) em idade precoces.

 - Enfisema pulmonar: uma doença pulmonar que deixa uma pessoa "agarrada" a uma garrafa de oxigénio e incapaz de ter uma vida autónoma.

 - Aumenta o risco de impotência e infertilidade.

 - Diminui a capacidade física dos fumadores, mesmo dos jovens! É verdade, os fumadores têm menor resistência física, uma menor capacidade pulmonar o que limita as "performances" em praticamente todas as atividades desportivas.

 E enquanto o tabaco tem todas estas consequências negativas para os fumadores vai enriquecendo cada vez mais os bolsos das grandes empresas tabaqueiras, que tanto se têm esforçado por passar a imagem de que fumar é uma atividade atrativa.

O tabaco provoca dependência, torna-se um vício, devido a uma substância presente na sua composição - a nicotina - que é altamente aditiva. Tal como a heroína e outras substâncias viciantes, o corpo e a mente dos seus consumidores tornam-se rapidamente habituados a ela, e a pessoa necessita dela para se sentir bem e normal.

 A dependência ocorre pela ausência de sensações positivas provocadas pela substância, mas também devido a sintomas desagradáveis que aparecem quando a esta sai do organismo, como dores de cabeça, dores musculares, náuseas, mal estar geral, etc. Além desta dependência "física" existe também uma dependência "psicológica", muitas vezes a mais difícil de ultrapassar.

A nicotina é uma droga legal. É um estimulante (e não propriamente um “relaxante”) que, segundo os utilizadores, ajuda à concentração, alivia o tédio e suprime o apetite.

Quando se fuma pela primeira vez, é normal sentirem-se tonturas e uma sensação de enjoo. Porém, muita gente ultrapassa estes maus efeitos e torna-se dependente.

Os efeitos secundários da supressão da nicotina incluem impaciência, irritabilidade e depressão. O desejo de mais um cigarro pode ser irresistível. Fumar está associado a tosse, infecções nos pulmões, problemas de respiração, asma, úlceras e mau hálito. A longo prazo, fumar aumenta a possibilidade de desenvolver cancro do pulmão, garganta e boca, para além de poder provocar problemas cardíacos. Fumar pode ainda causar má circulação, o que leva, em casos extremos, a situações de amputação.

Isto pode parecer uma “terapia de choque”. Mas fumar é realmente mau. O tabaco é responsável pela morte de milhares de pessoas por ano.

Redução dos Riscos: Como a vitamina C é destruída pelo tabaco, os fumadores devem tomar doses extra de antioxidantes (vitaminas A, C e E), o que ajudar a prevenir certos tipos de cancro. Devem ainda comer muita fruta fresca e vegetais.

Pode-se tentar cortar o tabaco gradualmente ou impor algumas regras como, por exemplo, não fumar no trabalho ou não fumar antes de almoço, ou então deixar mesmo de fumar! Há muitas maneiras diferentes de o fazer, desde “a frio” (simplesmente largando), passando por pastilhas e pensos de nicotina. A nicotina ajuda a parar de fumar, enquanto reduz os sintomas da abstinência.

Se queres realmente deixar de fumar, tenta identificar as situações em que te apetece fumar: pode ser no café, numa farra ou depois de uma refeição. Estas situações podem ser as mais difíceis de ultrapassar. No entanto, mudar a tua rotina pode ajudar bastante.